Um tempo... e tempos

By Estudos do Fim

Um tempo, tempos e metade de um tempo

Quanto se equivale esse período profético?

 

Nas profecias a expressão "tempos" equivale-se a "anos". (Dan. 11:13b)

E tem-se até a expressão matemática: um tempo, tempos e metade de um tempo - que se traduz: 1 ano + 2 anos + meio ano, ou seja, 3 anos e meio.

Porquanto "tempos" (plural de tempo) nessa expressão profética significa unicamente "2 anos".

 

E, podemos constatar: geralmente, nas profecias, "tempos" é um período de tempo relativo.

Porque ao dizer-se de algo a cumprir-se por um tempo (um ano), isso não significa UNICAMENTE exatos 365 dias; como se um ano só pudesse ser representado (contado) se seu ciclo fosse exato, ou completo; porquanto, faltando-se ou excedendo-se alguns dias ao período, certamente que pode ser contado como um ano.

E é o que vemos ocorrer-se na contagem bíblica e profética; quando a Escritura define um acontecimento (ou profecia) ocorrido (ou a ocorrer-se) durante um tempo (um ano) ela não o faz baseando-se unicamente numa representação exata dum ciclo anual - 365 dias considerando-se, por exemplo, nosso calendário.


Porque "um tempo, tempos e metade de um tempo" e/ou "quarenta e dois meses" (que perfazem três anos e meio) representam nas profecias tanto 1260 dias (alguns dias a menos que o correto) quanto 1290 dias (alguns dias a mais que o correto): ambos períodos (1260 dias e 1290 dias) são contabilizados nas profecias como TRÊS ANOS E MEIO!

E, se olharmos o calendário Gregoriano (adotado em quase todo o mundo) tendo seu ciclo anual completo em 365 dias; com anos bissextos inseridos de 4 em 4 anos (com 366 dias - um 1 dia extra) para se manter o equilíbrio; então, três anos e meio (ou metade de 7 anos) contabilizado também um dia extra (do ano bissexto) resultam-se (os 3 anos e meio) na exata soma de 1278 dias.

Em suma, 1278 dias seria a exata representação de 3 anos e meio - em nosso calendário!

 

Porque 7 anos são: 7 X 365 dias que é igual a 2555 dias; e, acrescentando-se 1 dia (extra) devido o ano bissexto (obrigatório num ciclo de 7 anos); então 7 anos somariam 2556 dias; e, a metade exata 1278 dias.

E o mais incrível: 1278 dias parece ser a base adotada pelas Escrituras Sagradas p/ 3 anos e meio.

Assim, "um tempo, tempos e metade de um tempo" e/ou quarenta e dois meses (que no nosso Calendário seriam representados por exatos 1278 dias) correspondem nas PROFECIAS Bíblicas tanto 1260 dias (pouco menos que 1278 dias) quanto 1290 dias (pouco mais que 1278 dias) conforme constataremos na seqüência.

 

 

Um tempo, tempos e metade de um tempo equivalendo-se a 1260 dias:

Em Apocalipse 12, o período de fuga da mulher ao deserto onde é sustentada por "um tempo, tempos e metade de um tempo" equivale-se a 1260 dias; esse período contém 18 dias a menos que 1278 dias (que no calendário gregoriano seriam 3 anos e meio exatos); observemos:

"E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus, para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias." (Apc. 12:6)

E foram dadas à mulher duas asas de grande águia, para que voasse para o deserto, ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo, fora da vista da serpente. (Apc. 12:14)

 

Então, no contexto do Apocalipse 12, "um tempo, tempos e metade de um tempo" corresponde a 1260 dias. (Apc. 12:14 - Apc. 12:6)

 

 

Agora a mesma expressão profética -  equivalendo-se a 1290 dias:

Por exemplo, em Daniel 7 - a ponta pequena (anticristo) profere palavras contra o Altíssimo e faz guerra aos santos do Altíssimo durante: "um tempo, tempos e metade de um tempo" (Dan. 7:25).

No Apocalipse - o mesmo anticristo profere grandes coisas e blasfêmias contra Deus, e recebe poder para continuar por "quarenta e dois meses". (Apc. 13:5)

Também no Apocalipse - o mesmo anticristo há de pisar a cidade santa durante "quarenta e dois meses". (Apc. 11:2)

E, no livro de Daniel quando esse respectivo período (do controle e domínio absoluto do anticristo sobre o templo em Jerusalém) com a abominação desoladora - quando expressado em "dias contados" se equivale a 1290 dias:

Observemos:

"E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias." (Dan. 12:11) 

 

Ou seja: a abominação desoladora (que estabelece a Grande Tribulação no mundo) e determina o absoluto controle do anticristo sobre Jerusalém, sobre o templo, sobre o mundo e também sobre os santos.

Todas as respectivas passagens proféticas acima (tanto Daniel quanto Apocalipse) referentes ao anticristo prevalecendo-se com a abominação desoladora no lugar santo (templo) a qual gera a Grande Tribulação - as expressões proféticas relativas a: "um tempo, tempos e metade de um tempo" e/ou "quarenta e dois meses" convertidas em dias (na própria Escritura e profecia) se corresponde a 1290 dias:

"E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias." (Daniel 12:11)

 

Em suma, aqui nestas passagens, 3 anos e meio corresponde-se a 1290 dias.

É a partir da abominação desoladora a ser estabelecida pelo anticristo, que o mesmo obterá poder para agir por 42 meses ou por um tempo, tempos e metade de um tempo; e ambos os períodos se equivalem a 1290 dias. (Dan. 12:11)

 

Assim, é no contexto profético da abominação desoladora que se dará o pisoteio à cidade santa. (Apc. 11:2b)

É também nesse mesmo contexto que o anticristo proferirá palavras e blasfêmias contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo. (Dan. 7:25)

E tais eventos não se ocorrerão senão por exatos 1290 dias. E estão representados (contados) tanto em meses (42 meses), quanto em anos (um tempo, tempos e metade de um tempo). (Dan. 12:11)

Como também são expressados em números de dias: 1290 dias. (Dan. 12:11)

Vemos assim que há certa maleabilidade nos períodos proféticos expressados em anos (tempos) ou em meses (quarenta e dois meses) ou ainda em metade de uma semana de anos; sendo que, todos esses períodos representam 3 anos e meio! E só encontramos sua exatidão quando a profecia o define expressando-o em dias contados: como por exemplo, ocorreu-se a ressurreição de Cristo estabelecida a cumprir-se ao 3º dia de sua morte; ou ainda o dilúvio a vir sobre a terra durante 40 dias e 40 noites.

Como também nas profecias escatológicas relativas ao determinado tempo do fim, com a fuga da mulher (igreja) ao deserto por um tempo, tempos e metade de um tempo, correspondendo-se esse período a 1260 dias.

Ou a grande tribulação com o controle mundial por parte do anticristo nesse mundo por também um tempo, tempos e metade de um tempo (ou ainda por quarenta e dois meses, ou metade de uma semana de anos) sendo tal período definido pelas profecias como o período da abominação da desolação (ou transgressão assoladora) que a ser definido por número de dias contados se representa na sua exatidão por 1290 dias.
 

 

Profecias sobre o predomínio do anticristo estipulado em tempos (anos) e em meses:

"E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues na sua mão, por um tempo, e tempos, e a metade de um tempo." (Dan. 7:25)

"E foi-lhe dada uma boca para proferir grandes coisas e blasfêmias; e deu-se-lhe poder para continuar por quarenta e dois meses." (Apc. 13:5)

E deixa o átrio que está fora do templo, e não o meças; porque foi dado às nações, e pisarão a cidade santa por quarenta e dois meses. (Apc. 11:2) 

Os três períodos proféticos acima se referem a mesmo evento e a um mesmo período!

 

O predomínio do anticristo (c/ a abominação desoladora) estipulado em dias:

"E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias." (Dan. 12:11) 
 

Todos os períodos do predomínio do anticristo se referem a UM SÓ TEMPO: tempo da apostasia.

E estão expressados (contados) de diversas formas: "em tempos", "em meses" e "em dias" - para a nossa completa absorção, segurança e compreensão!

E creio que o Senhor assim o faz para reforçar a mesma afirmação de forma diversificada para demonstrar-nos sua precisão, exatidão; e para nos demover de quaisquer dúvidas, não nos deixando confundidos. Amém!

 

 

 

Voltar

Topo


| Anterior | Próxima |