Ordem Cronológica

By Estudos do Fim

Os acontecimentos na última Semana (de anos) de Daniel 9 - os últimos 7 anos do mundo.

A Septuagésima Semana de Daniel 9 - que é composta de 7 anos - se inicia através de um pacto (concerto) entre ele, "o príncipe que há de vir" (anticristo, ou seu predecessor) e Israel (Daniel 9:27) - e, esta septuagésima semana está dividida em duas fases de:

  • 3 anos e meio de falsa paz;

  • 3 anos e meio de grande tribulação.

 

Nos primeiros 3 anos e meio certamente deverá ocorrer a edificação do templo judaico (em tempo recorde) para o retorno aos sacrifícios diários no templo: o sacrifício contínuo.

E, o respectivo concerto (Daniel 9:27) primordialmente deverá referir-se ao Templo e sua edificação (conforme a lei) no seu devido lugar, em Jerusalém. Por isso procuraremos descrever certa cronologia de fatos que dar-se-ão nesses respectivos 7 anos que englobam a 70ª semana profética - que demarcam o tempo do fim:

1  –   Iniciam-se (os 7 anos) da 70ª semana profética - por meio de um Pacto entre o anticristo, os judeus e possivelmente os muçulmanos, pois possuem 2 mesquitas que ocupam por hora o local da edificação do templo do Senhor - Dan. 9:27a  -  esse Pacto é um Santo Concerto - Daniel 11:28, 30 

2  –   O Templo judaico (conforme a lei) é edificado no devido lugar em Jerusalém - o pacto deverá referir-se primordialmente a sua edificação... e o término desta OBRA não pode ultrapassar o limite máximo de 8 meses e meio dentro dos primeiros 3 anos e meio do pacto.

3  –  Na conclusão da obra do Templo, os judeus retomam os sacrifícios diários no templo, conforme a lei: o Sacrifício Contínuo (o mesmo realizado na lei).  Ao se iniciar o sacrifício contínuo (após conclusão do Templo), o sacrifício contínuo prevalece até a metade dos 7 anos (ou seja, até findarem-se os primeiros 3 anos e meio.  Paira sobre a terra a expectativa e promessa de e segurança; durante toda esta primeira metade (dos 7 anos do pacto) ainda não há tribulação. (I Tess. 5:3)

4  – Ao se completarem os primeiros 3 anos e meio do pacto, os servos de Deus são selados; a Grande Tribulação está às portas! (Apc. 7:2-3)

 

5  –   Três anos e meio após firmado o Pacto, o anticristo quebra o concerto estabelecendo a abominação desoladora (estoura a Grande Tribulação) Dan. 9:27b 

6  –  Na metade dos 7 anos (ou, precisamente após 1010 dias de contínuo sacrifício) o anticristo quebra o Concerto cessando os holocaustos no Templo, estabelecendo a abominação desoladora: a saber: se assentatá como Deus no Templo de Deus querendo parecer Deus. É exatamente nesses 3 anos e meio da Grande Tribulação (na 2ª metade da 70ª semana) que soam as 7 trombetas do Apocalipse – é também neste mesmo período, que o anticristo assume o controle mundial (Apc. 13:5,7); levantando-se contra tudo o que se chama Deus ou se adora, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, a vista dos homens; e lança por terra a verdade; faz tudo isso e prospera-se. Proíbe a fé em Deus, em Cristo, e obriga o mundo todo a adorá-lo como Deus. (Dan. 9:27b – Mat. 24:15, 21 – II Tes. 2:4 - Dan. 8:12)  Esta é a época definida pela Escritura como o tempo da apostasia (ou seja, negar a fé). (II Tes. 2:3)

7  –  Neste instante, ao ser vista abominação desoladora no lugar santo é que a Grande Tribulação tem início; e, a começar-se por Jerusalém se estabelece grande aflição e aperto na terra, ira sobre "este povo" (judeus). (Luc. 21:23)  Disse Jesus: "Aflição tal qual nunca houve nem tampouco haverá".

8  –  A imagem da besta é estabelecida, e a marca da besta é imposta: Ninguém poderá comprar ou vender se não tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome: 666. (Apc. 13:14-16)

9  –  Instaura-se ferrenha perseguição a cristãos como nunca houvidae.  Disse Jesus: "E de todos sereis odiados por causa do meu nome". (Mat. 23:9 - Mc. 13:13)  Disse Jesus: "E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos sereis entregues, e matarão alguns de vós." (Luc. 21:16)  Disse Jesus: "Vem mesmo a hora em que qualquer que vos matar cuidará prestar um serviço a Deus". (Jo. 16:2)

10  –  A igreja de Cristo foge ao deserto a um lugar preparado por Deus p/ que ali fosse alimentada durante 1260 dias. (Apc. 12:6, 14)

11 – Nesse mesmo período (ou seja, da grande tribulação), o Senhor levanta 2 testemunhas em Jerusalém, e lhes dá poder de profetizar por 1260 dias (período idêntico ao da provisão à igreja no deserto); durante os dias de sua profecia (1260 dias), as 2 testemunhas têm poder de ferir as águas; deter a chuva; e ferir a terra c/ toda a sorte de pragas, tantas quantas vezes quiserem. Ao terminarem seu testemunho (de 1260 dias na tribulação), a besta que sobe do abismo lhes fará guerra e as matará. (Apc. 11:2-13)

12 – Também durante este mesmo período (da Grande Tribulação - a qual se cumpre durante toda a 2ª metade da 70ª semana - Daniel 9), tocar-se-ão nos céus 7 Trombetas; sendo, uma após a outra sucessivamente, durante os respectivos 3 anos e meio; sendo, a primeira trombeta c/ sua respectiva finalidade no imediato início à tribulação; e a sétima trombeta (e sua respectiva finalidade) no seu exato término (aliás, é a 7ª trombeta que finda a grande tribulação, mediante a volta de Cristo). (Apc. 8 e 9; Apc. 11:15-19)

 

1ª Trombeta – a terça parte da terra é queimada.

2ª Trombeta – a terça parte do mar é transformada em sangue.

3ª Trombeta – a terça parte dos rios e fontes d’água são envenenados.

4ª Trombeta – a terça parte do sol, da lua e das estrelas não darão o seu brilho.

5ª Trombeta – milhões de gafanhotos c/ poder de escorpiões atormentam por 5 meses a quantos não têm em suas testas o selo de Deus. (Apc. 7:2-4), nesse dias os homens buscarão a morte e a morte fugirá deles.

6ª Trombeta – a terça parte dos homens é morta por fogo, fumo e enxofre.  É após o toque da 6ª trombeta que as 2 testemunhas de Deus são mortas em Jerusalém, e têm seus corpos expostos numa praça pública – e os habitantes da terra se alegram na sua morte não permitindo que seus corpos sejam sepultados; após 3 dias e meio mortas elas ressurgem e ascendem vivas ao céu; neste instante há um terremoto em Jerusalém, caindo a décima parte da cidade e 7 mil homens são mortos; então diz: "É passado o segundo ai (referente a 6ª trombeta); "eis que o terceiro ai cedo virá". (Apc. 9:12 e Apc. 11:14)

7ª Trombeta – A Volta de Cristo - Término da 70ª semana da profecia; findam-se os 7 anos do pacto; finda-se a Grande Tribulação p/ os santos; cessa-se a abominação desoladora! é a ressurreição dos mortos em Cristo, e o arrebatamento dos santos (a primeira ressurreição) – Todo o olho o verá – todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do Homem: "Eis aqui vos digo um mistério, na verdade nem todos dormiremos mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos ante a última trombeta". (Mat. 24:29-31 – I Cor. 15:51-52 – I Tess. 4:16-17 – Apc. 1:7 – Apc. 10:7)

13 –   Mediante o arrebatamento e a ressurreição dos mortos em Cristo são vindas as Bodas do Cordeiro  - Então diz: Bem-aventurados os que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro - Apc. 19:9 - Mat. 25:10 – os santos reunidos celebram c/ Cristo no reino dos céus.  As Bodas do Cordeiro se celebram por aproximadamente 45 dias, e, em mesmo período em que se derramam as 7 salvas sobre a terra.

 

Resumo até aqui:

Última semana de Daniel 9 - últimos 7 anos dessa geração:

Pacto do anticristo e Israel - inicia os 7 anos da 70ª semana da profecia de Daniel 9.

Os judeus iniciam - com o pacto - a edificação do templo judaico no seu devido lugar em Jerusalém.

O templo é edificado em tempo recorde, isto é, em no máximo 8 meses e meio.

Na conclusão do templo, os sacrifícios de cordeiros todas as tardes e manhãs - o sacrifício contínuo - é iniciado perdurando-se até se completarem os primeiros 3 anos e meio do pacto.

Os servos de Deus são selados ao se completarem os 3 anos e meio.

Metade dos 7 anos de pacto - o anticristo quebra o concerto cessando o sacrifício contínuo, profanando o santuário e estabelecendo a abominação desoladora - ou seja, sentando-se como DEUS no templo de Deus.

Estoura a grande tribulação por 42 meses (ou por 3 anos e meio, ou precisamente por 1290 dias).

Ao estourar a grande tribulação, tocam-se nos céus as 7 trombetas do apocalipse, sendo a primeira trombeta no imediato início, e a última no imediato término.

As 7 trombetas tocam-se sucessivamente, uma após outra durante toda a grande tribulação, ou seja, durante os últimos 3 anos e meio do pacto de 7 anos.

Ao estourar a grande tribulação - mediante a abominação desoladora - Deus levanta duas testemunhas (dois profetas)  em Jerusalém; elas têm poder de fechar o céus para que não chova nos dias da sua profecia, têm poder de sair fogo de suas bocas e podem ferir a terra c/ toda a sorte de pragas tantas quantas vezes quiserem nos dias de sua profecia; e qualquer que lhes quiser fazer mal, importa que seja morto; e profetizarão vestidas de saco por 1260 dias.

Também neste mesmo tempo da grande tribulação - a igreja se vê forçada a fugir ao deserto, longe da vista da besta, aonde terá um lugar preparado por Deus para que ali fosse alimentada por 1260 dias - ou seja, pelo mesmo período da profecia das duas testemunhas de Deus em Jerusalém.

A término de 1260 dias na grande tribulação - a igreja perde sua provisão no deserto - e as duas testemunhas são mortas em Jerusalém pela besta que sobe do abismo; seus corpos são expostos numa praça durante 3 dias e meio e os habitantes da terra se alegram c/ suas mortes; após 3 dias e meio, elas ressuscitam e ascendem vivas aos céus; seus inimigos as vêem e há um grande terremoto em Jerusalém e cai a décima parte da cidade, e 7 mil homens são mortos no terremoto. Então diz: é passado o segundo ai, eis que o terceiro ai logo virá.

Então toca-se a 7ª trombeta para a volta de Cristo. A volta de Cristo ante a última trombeta é que finda a grande tribulação; e finda a 70ª semana, e também cessa a abominação desoladora purificando o santuário!

Todos esses eventos se cumprem ao toque da última trombeta mediante a volta de Cristo: então os mortos (em Cristo) são ressuscitados (tragada foi a morte na vitória) e os que estiverem vivos são arrebatados. Todo o olho O verá, todas as tribos da terra se lamentarão e verão o Filho do homem vindo sobre as nuvens do céu c/ poder e grande glória.

Com o arrebatamento, são vindas as bodas do Cordeiro, a qual se celebra por 45 dias - o mesmo tempo em que se derramarão as 7 salvas da Ira de Deus sobre a terra; ou seja, as bodas do Cordeiro se celebram desde o arrebatamento da igreja até a batalha do Armagedom. E as 7 salvas da ira de Deus se derramam

 

 

14 – Após o arrebatamento da igreja e a ressurreição dos santos p/ as Bodas do Cordeiro, é que as 7 salvas da Ira de Deus se derramam sobre a terra num período de 45 dias. (Apc. 16 - Dan. 11:11-12)

1ª Salva – Uma chaga má e maligna nos homens que têm o sinal da besta.

2ª Salva - Todo o mar se torna em sangue como de um morto.

3ª Salva – Os rios e fontes d’água se tornam em sangue (toda a água doce)

4ª Salva – O sol se aquece 7 vezes e abrasa os homens c/ grandes calores.

5ª Salva – O reino da besta se faz tenebroso; e todos mordem suas línguas de dor.

6ª Salva – Seca-se o Eufrates, e o anticristo e a besta congrega os reis da terra e seus exércitos no lugar que, em hebreu, se chama Armagedom para uma Batalha.

7ª Salva – Grande Terremoto como nunca havido; todas as ilhas e montes são removidos do lugar... as cidades das nações caem (Apc. 6:14), sobre os homens sobrevém grande saraiva e pedras do peso de um talento; e os homens blasfemam de Deus porque sua praga é mui grande.

15 –   Batalha do Armagedom    Após a 7ª Salva, estando o anticristo, a besta e os reis da terra e seus exércitos congregados no lugar que se chama Armagedom, então ocorre a Batalha, na qual, o Senhor virá em cavalo branco tendo as vestes salpicadas de sangue, seguido de seu exército: e toda carne é destruída – nesta batalha é que se cumpre a profecia da Pedra em Daniel 2 (lançada sem mão) que atinge a estátua (representante dos impérios mundiais) nos seus pés, destruindo-a por completo. Esta é a Ira do Cordeiro (Apc. 6:16), o qual vem a ferir as nações c/ espada de sua boca, c/ vara de ferro; é precisamente neste dia (Armagedom) que se dá a regência das nações c/ vara de ferro; na qual regência as nações serão quebradas como vaso de oleiro, e todos os homens são mortos (Sal. 2:9 - Apc. 2:26-27), toda a carne é destruída! é o fim desta geração! é o fim do pecado! é o fim deste século mau! (Apc. 19:20 - Apc. 2:27 - Is. 63:2-6 - Apc. 19:15,21). É também aqui que se cumpre alguns dos js e tis da lei: "o certamente morrerá" dito a Adão.

16 – O anticristo e a besta são lançados no Lago de Fogo e Enxofre. (Apc. 19:20-21)

17 –   Satanás é aprisionado  – Após o Armagedom, Satanás é preso mil anos para que não mais engane as nações até que os mil anos se completem; depois importa ser solto p/ pouco tempo.(Apc. 20:1-3)

18 –    O Milênio    – Mil anos de Reinado de Cristo sobre toda a terra – é a Pedra (de Daniel 2) que atinge a estátua nos pés, desmoronando-a e destruindo-a por completo, e torna-se numa grande montanha enchendo toda a terra. (Daniel 2:44) E diz: Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo e reinarão c/ ele mil anos.  Mas os outros mortos (sujeitos ao inferno) não revivem até que os mil anos se acabem. (Apc. 20:5b-6) – no milênio não mais se aprenderá a guerra. (Miq. 4:3 – Is. 2:4) O lobo e o cordeiro, a vaca e a ursa pastarão juntos, e o leopardo e o cabrito juntos se deitarão. A terra se torna como Jardim do Senhor: É o Éden em toda a terra! (Ez. 36:35 - Is. 52:3)

É o cumprimento da oração do Senhor (Pai Nosso) quando a nós é vindo o vosso Reino, e plenamente é feita a Tua vontade assim na terra como no céu!

19 –     2ª ressurreição: Ao se completarem os mil anos ocorre a ressurreição; e Satanás é solto    

20 –    Batalha de Gogue e Magogue      Todos na batalha, seguindo ou não ao diabo, voltam à morte; e então vem-se o Juízo.

21 –    O Diabo no Lago de Fogo    Após Gogue e Magogue, o Diabo que os enganava é lançado no Lago de Fogo e enxofre onde estão o anticristo e a besta; e de dia e de noite serão atormentados por todo o sempre. Amém! (Apc. 20:7-9)

 

22 –     Juízo Final    –  No juízo, os mortos comparecem ao tribunal, então diz: "E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras". (Apc. 20:13)
Detalhe importante: Os mortos vão a juízo (não recebem vida p/ isso - não ressuscitam p/ ir ao juízo; no juízo serão julgados os mortos). Porquanto Deus é Deus e não carece da "vida" para que possa julgar o homem.  Por isso diz a palavra de Deus que: "está ordenado aos homens morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo." (Hebreus 9:27)  Ou seja: não está ordenado (na lei) aos homens, morrerem e ressuscitarem, para se ir a juízo); mas está ordenado na lei, morrerem uma vez, vindo depois o juízo.
E então abrem-se os livros, e o Livro da Vida, e os mortos são julgados segundo suas obras e segundo as coisas escritas nos livros.  Muitos confundem-se pensando que a 2ª ressurreição se dará p/ que Deus possa julgar o homem (como se Deus só pudesse julgar o homem caso receba esse vida). Mas não é verdade; Deus é Deus e p/ Ele não há impossíveis! Os mortos serão apenas devolvidos no Juízo, ninguém receberá vida p/ vir a juízo; e, no juízo, ao serem julgados os mortos,  e consultados os livros, é que então se saberá o que a cada qual lhe caberá: se a vida (mediante inscrição ao Livro da Vida); ou se a morte - 2ª morte (pela ausência no Livro da Vida). Por isso, João diz em Apocalipse: "E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus..." Ou seja, ele não viu os vivos diante do trono, mas viu os mortos grandes e pequenos diante do trono ...
Somente após o Juízo; após julgamento, e, mediante inscrição ao Livro da Vida é que, os homens nele inscritos, recebem o direito à vida (por isso mesmo é denominado Livro da Vida).
Só os inscritos ao Livro da Vida RESSUSCITAM no Juízo, após julgados e consultados os livros; recebendo por ele, a vida, e novos corpos, e habitarão em Nova Terra (Sal. 115:16).
E, os mortos ausentes no Livro da Vida no Juízo, esses, além de ainda estarem sob domínio da morte (a primeira morte), recebem o dano da segunda morte! indo ao lago de fogo. (Apc. 20:11-13)
Jesus diz no evangelho: "A rainha do sul se levantará no juízo com os homens desta geração, e os condenará; pois até dos confins da terra veio ouvir a sabedoria de Salomão; e eis aqui está quem é maior do que Salomão." (Luc. 11:31-32) ou seja, está programada a ressurreição da rainha do sul no juízo... (e também os ninivitas).

23 – No dia do Juízo, os céus e terra que agora existem serão desfeitos. Também no Juízo, a morte e o inferno são lançados no Lago de Fogo e aniquilados. (Apc. 20:14 - Is. 25:8)
E todo homem não inscrito no Livro da Vida irá ao Lago de Fogo e Enxofre – o que (p/ os homens) é a SEGUNDA MORTE. (Apc. 20:14-15 – Apc. 21:8)  Segunda morte e eterna! Creio que aqui se cumpre a extinção do ser: d'aquele ser que, apenas recebendo um fôlego de vida, sendo feito alma vivente, e recebido do Criador, Deus, um mandamento a cumprir p/ que não morresse; mas desobedecido, não atentado, não se arrependido, e nem crido; dar-se-á então o "certamente morrerá" conclusivo;  recebendo de uma vez por todas a sentença final (em Apocalipse) embora inicial (de Gênesis), a saber: a morte! E assim, será como se nunca houvera sido – e, para dar uma melhor compreensão – será como os animais que, após existirem e deixarem de ser, são como se nunca houveram sido. Amém!

24 –   Novo Céu e nova Terra    – O (primeiro) céu e terra passaram e o mar já não existe; e Novos Céus e Nova Terra foram criados. (Mat. 24:35 – Apc. 21:1 - Is. 65:17)

25 – Vida aos homens, os que no Juízo se acharam inscritos no Livro da Vida. E habitarão Nova Terra (Sal. 116:15); na qual habita justiça (II Ped. 3:13).  Nela haverá nações, e reis (Apc. 21:24b), porém jamais poderão ver a Deus – ficando fora da cidade e participando nas folhas da Árvore da Vida, as quais são p/ saúde das nações. (Apc. 22:2)

26 –    Nova Jerusalém   – Cidade de ouro puro e resplandecente como cristal, cujo Arquiteto e Construtor é Deus – Não entrará nela coisa alguma que contamine e cometa abominação e mentira; mas somente os inscritos no Livro da Vida do Cordeiro. E Deus estará c/ eles, e será o seu Deus e limpará de seus olhos toda a lágrima. E reinarão por todo o sempre. (Apc. 21:27 – Apc. 21:2-4 – Apc. 22:3-5 – Apc. 22:7 - Apc. 22:14-15)

27 – Quem vencer (diz o Senhor) herdará todas as coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho. Amém. (Apc. 21:7)

 

Aquele que testifica estas coisas diz: "Certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus." (Apc. 22:20)

 

 

 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

Esclarecimentos sobre alguns termos específicos nas Escrituras e seus significados:

 

Sacrifício Contínuo - É o sacrifício de animais oferecido no Antigo Testamento pelos sacerdotes no templo de Deus durante os 7 dias da semana ininterruptamente (por isso mesmo é chamado de sacrifício contínuo). Onde eram sacrificados um cordeiro de um ano pela manhã e outro pela tarde juntamente c/ as ofertas de manjares: de flor de farinha, do azeite e do vinho (também ofertas contínuas). Foi instituído no Monte Sinai no livro de Êxodo na saída dos filhos de Israel do Egito. (Ex. 29:36-42) É esse sacrifício que o anticristo há de retirar na metade da 70ª semana, profanando o santuário, estabelecendo-se como Deus no templo de Deus, o que se intitula de "abominação da desolação".

Semana (de anos) - Refere-se a 7 anos.  No Velho Testamento os antigos consideravam uma "semana" tanto com 7 dias quanto com 7 anos, dependendo do contexto.  Ou seja, semana na antiguidade se refere a conjunto de "sete". Vemos um exemplo desse quando Jacó trabalhou e serviu a Labão (por suas duas filhas) lhes serem esposas; trabalhando 1 semana por Raquel (7 anos) recebendo Lia, e 1 semana por Lia (recebendo Raquel) - e foram ao todo 14 anos, 7 anos por cada mulher. (Gen. 29:27-28). Também na lei, Deus instituiu ao judeus esta contagem de semanas de anos, quando estabeleceu-lhes em Israel por estatuto o ano de Jubileu, no qual os judeus só poderiam cultivar a própria terra por 6 anos consecutivos e o ano sétimo, a terra deveria ter descanso (ano sabático - sábado da terra, e não haveria semeadura, nem aragem).  E ao contarem 7 ciclos de 7 anos (ou 7 semanas de anos) totalizando-se 49 anos, então se comemorava o Jubileu no qüinquagésimo - ano 50 a partir desta contagem - isso ininterruptamente em Israel durante a lei.  (Lev. 25:8-10)

Metade da semana - ±1278 dias que correspondem a três anos e meio e/ou a 42 meses.

Sacrifício e oferta de manjares - É outro sinônimo para o Sacrifício Contínuo - ou seja, é o sacrifício contínuo que era realizado continuamente todas as tardes e manhãs estabelecido no Monte Sinai, em Êxodo.

Tardes e manhãs: Significam dias (de 24 horas); uma tarde e manhã igual a um dia. (Gen. 1: 5 - Dan. 8:13-14)

Tempos - Significam anos: 1 Tempo = 1 ano  /  Tempos = 2 anos  /  metade de um Tempo = ½ ano. (Dan. 11:13)

Um Tempo, Tempos e metade de um tempo = É uma expressão profética que significa 3 anos e meio (± 1278 dias); podendo representar tanto 1260 dias (um pouco menos) quanto 1290 dias (um pouco mais); nas profecias as duas datações (1260 dias e 1290 dias) são representadas pelo termo relativo: um tempo, e tempos e metade de um tempo. Por favor, confira: Dan. 7:25 e Dan. 12:11 e Apc. 13:5 (quando o anticristo governa por um tempo, tempos e metade de um tempo, e serão ao todo 1290 dias). E também  Apc. 12:6  e  Apc. 12:14  (quando a igreja em fuga ao deserto - serão 1260 dias). Então, a própria Escritura define "um tempo, tempos e metade de um tempo" como uma datação relativa "em anos" - a qual, convertida "em dias", pode significar tanto um pouco menos (dias) quanto um pouco mais (dias) carecendo da própria Escritura na sua elucidação. Ou seja: um tempo, tempos e metade de um tempo (que são o mesmo que 42 meses) convertido-se nas profecias "em dias" podem representar tanto 1260 dias quanto 1290 dias; ambos são considerados pelas profecias como um período de 3 anos e meio.

Quarenta e dois meses - É o mesmo que 3 anos e meio e que um tempo, tempos e metade de um tempo. (Apc. 11:2 - Apc. 13:5)

 

Última atualização 07/12/2016

 

Voltar

Topo